segunda-feira, maio 16

Receita Tradicional de Cookies da Família Castro e Lacerda


ISSO FICOU BOM DEMAIS!! IMPERDÍVEL!!

Ingredientes:

1 e 1/4 xícara(s) de chá de açúcar cristal

1 colher de chá de essência de baunilha

3 colheres cheias de sopa de Margarina

1 ovo

2 e 1/4 xícara(s) de chá de farinha de trigo

1 colher de chá de bicarbonato de sódio

1 colher de chá de canela

180 gramas de chocolate picadado ( + ou - 2 xícaras)


Modo de Preparo:

Pré aqueça o forno a 190°C. Em uma batedeira, bata bem os açúcares com a margarina e a baunilha.

Desligue a batedeira, coloque os outros ingredientes e misture com uma colher até desaparecer a farinha.

Com um boleador de sorvetes pequeno (ou com a ajuda de duas colheres), distribua bolinhas da massa,
deixando 2 cm de distância entre elas, em uma assadeira de bordas baixas sem untar.

Asse de 8 a 10 minutos ou até corar (o centro do biscoito deve ficar mole).

Asse apenas uma assadeira por vez. Deixe esfriar um pouco, desenforme e sirva.

quarta-feira, maio 4

Fuscaaaa!! Eu tenho!!


O alemão Ferdinand Porsche (1875-1951) foi quem deu forma ao que se tornou o carro mais vendido da história. O modelo da Volkswagen teve seus embriões em outros carros de formas arredondadas, mas foi mesmo o Fusca que entrou para a história. O carro popular por definição – o Fusca surgiu dentro do conceito alemão de “Volks Wagen”, ou seja, carro do povo – tinha muito das formas do carro de luxo. Porsche desenhou por encomenda da Auto Union, hoje a Audi, uma linha de sedãs de luxo que em muito se pareciam com o Fusca.

Mas foi mesmo o flerte com o luxo e o poder que permitiu a Porsche fazer sua criação mais famosa. O designer era amigo de um importante assessor do ditador Adolf Hitler e acabou sendo contratado pelo governo alemão em 1934 para desenvolver seu projeto. Mas Porsche tinha de seguir as exigências de Hitler: criar um carro capaz de transportar dois adultos e três crianças (ou três soldados e uma metralhadora), alcançar velocidade média de 100 km/h, não consumir mais de um litro a cada 13 km, ter motor refrigerado a ar e ser vendido por menos de mil marcos, a moeda da época.

Foram muitos protótipos até chegar ao modelo final, com motor traseiro de quatro cilindros, refrigerado a ar e sem radiador. A carroceria aerodinâmica foi desenhada pelo austríaco Erwin Komenda (1904-1966). Os primeiros modelos para teste surgiram em 1936 e enfrentaram as estradas alemãs com soldados ao volante. Em um segundo momento, optaram por instalar janelas traseiras, além de pára-choques.

O governo acabou aprovando o projeto, e o primeiro Fusca saiu da linha de montagem em 1940. Houve subsídio do Estado e um plano de parcelamento que permitiu que os alemães comprassem um Fusca pagando cinco marcos por semana. A Segunda Guerra Mundial acabou interrompendo a produção, e houve polêmica quando se tornou público o fato de se terem usado prisioneiros de guerra na linha de montagem. Foi só durante a ocupação da Alemanha pelos aliados que se voltou a produzir.

Dos muitos modelos que então surgiram, o de 1959 definiu a imagem que se consagraria nas décadas seguintes. Em 1973, o Fusca viveu seu auge: 1,25 milhão de unidades por ano ganhavam as ruas das cidades do mundo todo. O último modelo desse Fusca tradicional parou de ser produzido em 2003, no México, onde o uso em massa pelos taxistas rendeu ao carrinho sua maior sobrevida.

AUTOR: Ferdinand Porsche / Volkswagen

MATERIAL: Aço e outros materiais

DIMENSÕES: 149,9 x 153,7 x 406,4 cm

ANO: 1959

Fonte: Revista Bravo (http://bravonline.abril.com.br/conteudo/bravo/materia_410581.shtml)